Outros Formatos


DISCURSO DO MÉTODO

René Descartes

Tradução de Paulo Neves

Um dos textos mais influentes da literatura universal

Cogito ergo sum. “Penso, logo existo.” Tal proposição resume o espírito de René Descartes (1596-1650), sábio francês cujo Discurso do método inaugurou a filosofia moderna. Em 1637, em uma época em que a força da razão tal qual a conhecemos era muito mais do que incipiente, e em que textos filosóficos eram escritos em latim, voltados apenas para os doutores, Descartes publicou Discurso do método, redigido em língua vulgar, isto é, o francês. Ele defendia o “uso público” da razão e escreveu o ensaio pensando em uma audiência ampla. Queria que a razão, este privilégio único dos seres humanos, fosse exatamente isso, um privilégio de todos os homens dotados de senso comum. Trata-se de um manual da razão, um prático “modo de usar”. Moderno, Descartes postulava a ideia de que a razão deveria permear todos os domínios da vida humana e que a apreciação racional era parâ­metro para todas as coisas, numa atividade libertadora, voltada contra qualquer dogmatismo.

Evidentemente, tal premissa revolucionária lhe causaria problemas, sobretudo no âmbito da igreja: em 1663, vários de seus livros foram colocados no Index. Razão alegada: a aplicação de exercícios metafísicos em assuntos religiosos. Discurso do método mostra por que Descartes – para quem “mente”, “espírito”, “alma” e “razão” significavam a mesma coisa – marcou indelevelmente a história do pensamento.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    DISCURSO DO MÉTODO

  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Filosofia
  • Série:
    Clássicos L&PM
  • Cód.Barras:
    9788525429988
  • ISBN:
    978-85-254-2998-8
  • Páginas:
    112
  • Edição:
    outubro de 2013

Vida & Obra

René Descartes

René Descartes nasceu em La Haye, em 31 de março de 1596. Órfão com um ano de idade, de saúde frágil, passou a maior parte de sua infância em sua cidade natal. Com onze anos foi enviado para o colégio jesuíta de La Flèche, de onde saiu em 1615, para conhecer o mundo. Este colégio, na época, era reputado como um dos melhores colégios da França. Contudo, o espírito inquieto do jovem estudante o impulsionou para fora da academia. No seu entender, esta não ensinava propriamen...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Um dos textos mais influentes da literatura universal

Cogito ergo sum. “Penso, logo existo.” Tal proposição resume o espírito de René Descartes (1596-1650), sábio francês cujo Discurso do método inaugurou a filosofia moderna. Em 1637, em uma época em que a força da razão tal qual a conhecemos era muito mais do que incipiente, e em que textos filosóficos eram escritos em latim, voltados apenas para os doutores, Descartes publicou Discurso do método, redigido em língua vulgar, isto é, o francês. Ele defendia o “uso público” da razão e escreveu o ensaio pensando em uma audiência ampla. Queria que a razão, este privilégio único dos seres humanos, fosse exatamente isso, um privilégio de todos os homens dotados de senso comum. Trata-se de um manual da razão, um prático “modo de usar”. Moderno, Descartes postulava a ideia de que a razão deveria permear todos os domínios da vida humana e que a apreciação racional era parâ­metro para todas as coisas, numa atividade libertadora, voltada contra qualquer dogmatismo.

Evidentemente, tal premissa revolucionária lhe causaria problemas, sobretudo no âmbito da igreja: em 1663, vários de seus livros foram colocados no Index. Razão alegada: a aplicação de exercícios metafísicos em assuntos religiosos. Discurso do método mostra por que Descartes – para quem “mente”, “espírito”, “alma” e “razão” significavam a mesma coisa – marcou indelevelmente a história do pensamento.

" />