Coleção L&PM E-books


INCESTO

INCEST: FROM

Anaïs Nin
Introdução de Rupert Pole e notas biográficas de Gunther Stuhlmann

Tradução de Guilherme da Silva Braga

Após os acontecimentos relatados em Henry & June (Coleção L&PM Pocket), este volume dos diários não-expurgados de Anaïs Nin detalha o conturbado período de sua vida entre os anos de 1932 e 1934. Mesmo nutrindo grande amor e ternura pelo marido, Hugh Guiler, Anaïs não consegue dar vazão a seus desejos sexuais dentro do casamento e entrega-se a aventuras com os doutores René Allendy e Otto Rank, seus psicanalistas, e com Henry Miller, o escritor maldito, então em plena fase de conclusão do seu Trópico de Câncer. Para complicar ainda mais a equação amorosa, em 1933 a autora reencontra o pai, a quem não via desde menina, e acaba envolvida em um perturbador relacionamento incestuoso. O livro relata, inclusive, em páginas comoventes e atualíssimas, a decisão impossível que ela se vê obrigada a tomar quando descobre uma gravidez indesejada.

Em uma prosa arrebatadora e repleta de nuances poéticas, Anaïs Nin registra o relacionamento com seus amantes – e, no caso de Miller, o intercâmbio literário é um dos pontos altos –, assim como seus encontros com outras figuras de vanguarda da época, como por exemplo o dramaturgo Antonin Artaud. São abordados temas como esperança, amor, sexo e frustração, sempre no tom intimista de uma mulher que escreve para si mesma. O estilo da autora é denso e honesto, marcado por uma fraqueza que inclui descrições detalhadas de seus estratagemas para enganar pessoas próximas a fim de ocultar sua vida dupla – um dos motivos que manteve as versões integrais dos diários longe do público por tanto tempo.

O primeiro volume foi publicado em 1966, mas, para preservar a família e os amantes, a escritora decidiu excluir trechos comprometedores ou explícitos, além de alguns nomes, como o do esposo Hugh. Somente em 1986, quase dez anos após a morte de Anaïs, Rupert Pole, seu segundo marido, começou a realizar o desejo expresso em vida pela autora de que todos os volumes dos Diários fossem editados em versões sem cortes, em volumes agora disponíveis ao leitor brasileiro.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    INCESTO

  • Título Original:
    INCEST: FROM
  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Diários
  • Série:
    Eróticos
  • eISBN:
    978.85.254.3583-5
  • Edição:
    agosto de 2008

Vida & Obra

Anaïs Nin

Anaïs Nin nasceu em 21 de fevereiro de 1903 em Neu­illy (arredores de Paris), filha de Joaquín Nin, pianista e compositor cubano, e de Rosa Culmell, dançarina também cubana, com ascendência franco-dinamarquesa. Durante a infância, acompanhou o pai em suas excursões artísticas por toda a Europa, vivendo sempre em meios cosmopolitas. Devido à separação dos seus pais, Anaïs viajou com a mãe e seus dois irmãos para os Estados Unidos quando tinha 11 anos de idade, instalando-se com a...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Após os acontecimentos relatados em Henry & June (Coleção L&PM Pocket), este volume dos diários não-expurgados de Anaïs Nin detalha o conturbado período de sua vida entre os anos de 1932 e 1934. Mesmo nutrindo grande amor e ternura pelo marido, Hugh Guiler, Anaïs não consegue dar vazão a seus desejos sexuais dentro do casamento e entrega-se a aventuras com os doutores René Allendy e Otto Rank, seus psicanalistas, e com Henry Miller, o escritor maldito, então em plena fase de conclusão do seu Trópico de Câncer. Para complicar ainda mais a equação amorosa, em 1933 a autora reencontra o pai, a quem não via desde menina, e acaba envolvida em um perturbador relacionamento incestuoso. O livro relata, inclusive, em páginas comoventes e atualíssimas, a decisão impossível que ela se vê obrigada a tomar quando descobre uma gravidez indesejada.

Em uma prosa arrebatadora e repleta de nuances poéticas, Anaïs Nin registra o relacionamento com seus amantes – e, no caso de Miller, o intercâmbio literário é um dos pontos altos –, assim como seus encontros com outras figuras de vanguarda da época, como por exemplo o dramaturgo Antonin Artaud. São abordados temas como esperança, amor, sexo e frustração, sempre no tom intimista de uma mulher que escreve para si mesma. O estilo da autora é denso e honesto, marcado por uma fraqueza que inclui descrições detalhadas de seus estratagemas para enganar pessoas próximas a fim de ocultar sua vida dupla – um dos motivos que manteve as versões integrais dos diários longe do público por tanto tempo.

O primeiro volume foi publicado em 1966, mas, para preservar a família e os amantes, a escritora decidiu excluir trechos comprometedores ou explícitos, além de alguns nomes, como o do esposo Hugh. Somente em 1986, quase dez anos após a morte de Anaïs, Rupert Pole, seu segundo marido, começou a realizar o desejo expresso em vida pela autora de que todos os volumes dos Diários fossem editados em versões sem cortes, em volumes agora disponíveis ao leitor brasileiro.

" />