Outros Formatos


DUAS VIAGENS AO BRASIL: PRIMEIROS REGISTROS SOBRE O BRASIL

HANS STADEN: ZWEI REISEN NACH BRASILIEN

Hans Staden

Tradução de Angel Bojadsen

R$39,90

AVENTURA & ANTROPOFAGIA

Tradução do alemão de Angel Bojadsen

Introdução de Eduardo Bueno

Duas vezes em meados do século XVI, o mercenário e arcabuzeiro alemão Hans Staden (c.1524-c.1576) aportou nas costas do recém descoberto Brasil. A primeira, em 1549, passando por Pernambuco e pela Paraíba; e a segunda, em 1550, quando chegou na ilha de Santa Catarina, dirigindo-se posteriormente à capitania de São Vicente, no litoral sul do atual estado de São Paulo. Na segunda viagem, como viera a bordo de um navio espanhol, foi preso pelo governador-geral da colônia, o português Tomé de Sousa, e em seguida capturado pelos índios tamoios, inimigos dos tupiniquins e dos portugueses e aliados dos franceses. 

O jovem Staden viveu para contar o que viu: paisagens virgens, riquezas inexploradas e a prática ritual do canibalismo, do qual por muito pouco não foi vítima. O livro com seu relato foi publicado em 1557, em Marburgo, na Alemanha, ilustrado por xilogravuras anônimas (aqui reproduzidas) baseadas em suas descrições, e imediatamente tornou-se um best-seller em toda Europa. Trata-se da mais acurada e impressionante descrição do banquete antropofágico – o festim canibal praticado pelos povos tupis. É, também, a primeira reportagem jamais realizada sobre o povo brasileiro e seus costumes, um eletrizante relato feito por, como diz Eduardo Bueno na introdução, “um estrangeiro em um mundo estranho”. 

Com um estilo coloquial e direto, eis um livro soberbo e necessário, fundamental para a cultura brasileira.

 

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    DUAS VIAGENS AO BRASIL: PRIMEIROS REGISTROS SOBRE O BRASIL

  • Título Original:
    HANS STADEN: ZWEI REISEN NACH BRASILIEN
  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    História
  • Cód.Barras:
    9786556661476
  • ISBN:
    978.65.566.6147-6
  • Páginas:
    192
  • Edição:
    julho de 2021

Vida & Obra

Hans Staden

Hans Staden (Homberg, c.1524-Wolfhagen, c.1576) foi um aventureiro mercenário alemão. São escassos os dados sobre a vida de Hans Staden, que empreendeu duas viagens ao Brasil em meados do século XVI. Na primeira, embarcou como artilheiro numa nau portuguesa que veio a Pernambuco, em 1547, e retornou a Lisboa no ano seguinte.

Na segunda, em 1550, veio incorporado na armada do espanhol Diogo de Sanábria, que pretendia fundar um povoado na costa da ilha de Santa Cat...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


AVENTURA & ANTROPOFAGIA

Tradução do alemão de Angel Bojadsen

Introdução de Eduardo Bueno

Duas vezes em meados do século XVI, o mercenário e arcabuzeiro alemão Hans Staden (c.1524-c.1576) aportou nas costas do recém descoberto Brasil. A primeira, em 1549, passando por Pernambuco e pela Paraíba; e a segunda, em 1550, quando chegou na ilha de Santa Catarina, dirigindo-se posteriormente à capitania de São Vicente, no litoral sul do atual estado de São Paulo. Na segunda viagem, como viera a bordo de um navio espanhol, foi preso pelo governador-geral da colônia, o português Tomé de Sousa, e em seguida capturado pelos índios tamoios, inimigos dos tupiniquins e dos portugueses e aliados dos franceses. 

O jovem Staden viveu para contar o que viu: paisagens virgens, riquezas inexploradas e a prática ritual do canibalismo, do qual por muito pouco não foi vítima. O livro com seu relato foi publicado em 1557, em Marburgo, na Alemanha, ilustrado por xilogravuras anônimas (aqui reproduzidas) baseadas em suas descrições, e imediatamente tornou-se um best-seller em toda Europa. Trata-se da mais acurada e impressionante descrição do banquete antropofágico – o festim canibal praticado pelos povos tupis. É, também, a primeira reportagem jamais realizada sobre o povo brasileiro e seus costumes, um eletrizante relato feito por, como diz Eduardo Bueno na introdução, “um estrangeiro em um mundo estranho”. 

Com um estilo coloquial e direto, eis um livro soberbo e necessário, fundamental para a cultura brasileira.

 

" />