Coleção L&PM Pocket


CARTA AO PAI

BRIEF AN DEN VATER

Franz Kafka
Tradução, organização, prefácio, glossário e notas de Marcelo Backes

Entre os dias 10 e 19 de novembro de 1919, Franz Kafka, insatisfeito com a fria recepção paterna diante do anúncio de seu noivado com Julie Wohryzek, escreveu ao pai, o comerciante judeu Hermann Kafka, uma longa carta – mais de cem páginas manuscritas. Kafka tinha então 36 anos, uma vida pessoal acanhada – nunca se casara ou constituíra família –, uma carreira mediana de funcionário burocrático e uma ambição literária ainda longe de estar realizada. Na carta, que nunca foi enviada ao destinatário original, Kafka põe a nu toda a sua mágoa em relação ao pai autoritário, que ele chama, alternadamente, de "tirano", de "regente", de "rei" e de "Deus". Em uma experiência virtuosística de auto-análise, além de uma belíssima peça literária, ele mostra como, a seu ver, o jugo paterno minou-lhe a auto-estima, condenando-o a uma personalidade fraca e assustada.

Além de disponibilizar ao leitor um dos textos mais emocionantes da literatura ocidental, estava nova edição se destaca por priorizar a dimensão biográfica da Carta. A leitura da carta e do material que a envolve joga luz sobre o drama humano universal do autor e ajuda a compreender sua imensa angústia, capaz de gerar obras-primas como O processo, A metamorfose, América ou o desaparecido, entre outras. Como escreveu o filho ao pai: "Minha atividade de escritor tratava de ti, nela eu apenas me queixava daquilo que não podia me queixar junto ao teu peito".

Além da carta fartamente anotada, a edição conta com um prefácio que explica fatos e circunstâncias relativas ao texto e à redação da carta, um glossário de expressões e nomes de pessoas citadas, uma cronologia biográfica de Kafka e a reprodução fac-símile de algumas páginas do documento.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    CARTA AO PAI

  • Título Original:
    BRIEF AN DEN VATER
  • Catálogo:
    Coleção L&PM Pocket
  • Gênero:
    Correspondência
    Literatura clássica internacional
  • Referência:
    371
  • Cód.Barras:
    9788525413567
  • ISBN:
    978.85.254.1356-7
  • Páginas:
    112
  • Edição:
    julho de 2004

Vida & Obra

Franz Kafka

Nasceu em Praga, filho de pais judeus de classe média. Sua infância e adolescência foram marcadas pela figura dominadora do pai, comerciante próspero, que sempre fez do sucesso material a tábua de valores – para si e para os outros. Na obra de Kafka, a figura paterna aparece associada tanto à opressão quanto à aniquilação da vontade humana, especialmente na célebre Carta ao pai, escrita em 1919.

Kafka admitiu a influência intelectual de Hei...

Ler mais

Opinião do Leitor

ivonete Aragao de Souza
São Paulo

Este é um dos relatos mais comoventes que já li, chorei muito.Adora este monstro sagrado da Literatura e percebi como a família molda muito do que somos. Li  A  metamorfose, tenho O processo, pena que a minha acuidade visual não está me ajudando, mas espero lê-lo, me identifico com este autor em muitos pontos de vista.

06/12/2013

Agatha

Fábio Damasceno
Simões Fiho/Bahia

Mais do que o relato de um filho atormentado pelo espectro dominador do pai, este livro nos leva a pensar sobre a forma como as outras pessoas nos "sentem". Utilizo aspas para distorcer um pouco o entendimento da palavra grifada. Como, principalmente nossos parentes e amigos interpretam nossas informações? Desde os momentos de fúria, passando pelas horas ou dias de melancolia até chegar nas épocas das overdoses de alegria? O mais importante, como nosso modo de viver influencia, impacta e transforma o próximo? Sem esquecer, é claro, do papel de pai, que possui poder tão grande para moldar um ser humano.

31/01/2013

Você também pode gostar


Entre os dias 10 e 19 de novembro de 1919, Franz Kafka, insatisfeito com a fria recepção paterna diante do anúncio de seu noivado com Julie Wohryzek, escreveu ao pai, o comerciante judeu Hermann Kafka, uma longa carta – mais de cem páginas manuscritas. Kafka tinha então 36 anos, uma vida pessoal acanhada – nunca se casara ou constituíra família –, uma carreira mediana de funcionário burocrático e uma ambição literária ainda longe de estar realizada. Na carta, que nunca foi enviada ao destinatário original, Kafka põe a nu toda a sua mágoa em relação ao pai autoritário, que ele chama, alternadamente, de "tirano", de "regente", de "rei" e de "Deus". Em uma experiência virtuosística de auto-análise, além de uma belíssima peça literária, ele mostra como, a seu ver, o jugo paterno minou-lhe a auto-estima, condenando-o a uma personalidade fraca e assustada.

Além de disponibilizar ao leitor um dos textos mais emocionantes da literatura ocidental, estava nova edição se destaca por priorizar a dimensão biográfica da Carta. A leitura da carta e do material que a envolve joga luz sobre o drama humano universal do autor e ajuda a compreender sua imensa angústia, capaz de gerar obras-primas como O processo, A metamorfose, América ou o desaparecido, entre outras. Como escreveu o filho ao pai: "Minha atividade de escritor tratava de ti, nela eu apenas me queixava daquilo que não podia me queixar junto ao teu peito".

Além da carta fartamente anotada, a edição conta com um prefácio que explica fatos e circunstâncias relativas ao texto e à redação da carta, um glossário de expressões e nomes de pessoas citadas, uma cronologia biográfica de Kafka e a reprodução fac-símile de algumas páginas do documento.

" />