Coleção L&PM Pocket


MAIGRET E OS FLAMENGOS (INÉDITO)

MAIGRET CHEZ LES FLAMANDS

Georges Simenon
Julia da Rosa Simões

Fora de catálogo

Em Givet, a filha de um vigia noturno desaparece. A jovem, Germaine Piedboeuf, teve um filho cujo pai é Joseph Peeters. O corpo foi encontrado no rio Meuse com o crânio esmagado, e um barqueiro é suspeito do crime. Mas há rumores de que talvez alguns lojistas abastados estejam envolvidos, já que Germaine nunca encontrou aceitação perante o povo flamengo, do qual os Peeters fazem parte. Maigret vai a Givet por conta própria a pedido de Anna Peeters. Ele então conhece Joseph, irmão de Anna; Maria, sua irmã mais jovem que é professora primária; e sua mãe. Tudo leva a crer que os Peeters não estão envolvidos com o crime. Maigret usa toda o seu conhecimento e sua intuição para desvendar esse caso. Mas o detalhe é que o comissário não está oficialmente dentro desta investigação, o que significa que ele talvez não possa prender o verdadeiro criminoso.

"Quando Maigret desceu do trem na estação de Givet, a primeira pessoa que viu, bem na frente de seu compartimento, foi Anna Peeters.
Foi como se ela tivesse previsto que ele pararia naquele exato lugar da estação! Ela não parecia surpresa nem orgulhosa daquilo. Estava como ele a vira em Paris, como ela devia sempre ser, vestindo um tailleur cinza-chumbo, sapatos pretos e um chapéu cuja forma ou mesmo a cor era impossível lembrar. Ali, ao vento que varria a estação onde apenas alguns passageiros caminhavam, ela parecia mais alta, um pouco mais forte. Estava com o nariz vermelho e segurava um lenço amarrotado.
-Eu tinha certeza de que viria, senhor comissário..."

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    MAIGRET E OS FLAMENGOS (INÉDITO)

  • Título Original:
    MAIGRET CHEZ LES FLAMANDS
  • Catálogo:
    Coleção L&PM Pocket
  • Gênero:
    Romance
    Romance policial Ficção
  • Série:
    Simenon
  • Referência:
    968
  • Cód.Barras:
    9788525423610
  • ISBN:
    978.85.254.2361-0
  • Páginas:
    160
  • Edição:
    agosto de 2011

Vida & Obra

Georges Simenon

Nas primeira horas da sexta-feira dia 13 de fevereiro de 1903, nasce em Liège, na Bélgica, Georges Joseph Christian Simenon, filho do contador Desiré Simenon e Henriette. Supersticiosos, os pais registram o primogênito como nascido às 23 horas e 30 minutos do dia 12. Em 1906, nasce Christian, único irmão de Georges, que desempenhará um papel crucial nas relações da família: torna-se o preferido de Henriette, que relegará Georges a um segundo plano.

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Em Givet, a filha de um vigia noturno desaparece. A jovem, Germaine Piedboeuf, teve um filho cujo pai é Joseph Peeters. O corpo foi encontrado no rio Meuse com o crânio esmagado, e um barqueiro é suspeito do crime. Mas há rumores de que talvez alguns lojistas abastados estejam envolvidos, já que Germaine nunca encontrou aceitação perante o povo flamengo, do qual os Peeters fazem parte. Maigret vai a Givet por conta própria a pedido de Anna Peeters. Ele então conhece Joseph, irmão de Anna; Maria, sua irmã mais jovem que é professora primária; e sua mãe. Tudo leva a crer que os Peeters não estão envolvidos com o crime. Maigret usa toda o seu conhecimento e sua intuição para desvendar esse caso. Mas o detalhe é que o comissário não está oficialmente dentro desta investigação, o que significa que ele talvez não possa prender o verdadeiro criminoso.

"Quando Maigret desceu do trem na estação de Givet, a primeira pessoa que viu, bem na frente de seu compartimento, foi Anna Peeters.
Foi como se ela tivesse previsto que ele pararia naquele exato lugar da estação! Ela não parecia surpresa nem orgulhosa daquilo. Estava como ele a vira em Paris, como ela devia sempre ser, vestindo um tailleur cinza-chumbo, sapatos pretos e um chapéu cuja forma ou mesmo a cor era impossível lembrar. Ali, ao vento que varria a estação onde apenas alguns passageiros caminhavam, ela parecia mais alta, um pouco mais forte. Estava com o nariz vermelho e segurava um lenço amarrotado.
-Eu tinha certeza de que viria, senhor comissário..."

" />