Outros Formatos


A FORMA DA ÁGUA - Andrea Camilleri

A FORMA DA ÁGUA

LA FORMA DELL'ACQUA

Andrea Camilleri

Tradução de Joana Angélica D'Avila Melo

Publicado em 1994, A forma da água traz a primeira história protagonizada pelo detetive Salvo Montalbano – o nome é uma homenagem ao escritor espanhol Manuel Vázquez Montalbán e seu personagem mais conhecido, Pepe Carvalho.

O sucesso estrondoso garantiu vida longa a Montalbano, que viria a figurar em quase trinta livros, além de ser adaptado para a televisão e traduzido em dezenas de países, num êxito internacional. As características desse investigador humano, demasiado humano, lhe valeriam comparações com Jules Maigret e Philip Marlowe, entre outros. 

Montalbano é investigador da polícia de Vigàta, a localidade siciliana fictícia que corresponde a Porto Empedocle, cidade natal do romancista. Lá, o oficial se depara com crimes que não são delitos isolados, mas que se conectam inextricavelmente à sociedade local – desigual, conservadora e submissa à cosa nostra. Tudo isso ambientado em um cenário idílico e regado a um estilo de escrita primoroso.

Nunca a literatura policial foi tão feliz ao explorar o paradoxo da miséria e da grandeza de uma região e de seus habitantes

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    A FORMA DA ÁGUA

  • Título Original:
    LA FORMA DELL'ACQUA
  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Literatura estrangeira
  • Cód.Barras:
    9786556661872
  • ISBN:
    978.65.566.6187-2
  • Páginas:
    192
  • Edição:
    agosto de 2021

Vida & Obra

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Publicado em 1994, A forma da água traz a primeira história protagonizada pelo detetive Salvo Montalbano – o nome é uma homenagem ao escritor espanhol Manuel Vázquez Montalbán e seu personagem mais conhecido, Pepe Carvalho.

O sucesso estrondoso garantiu vida longa a Montalbano, que viria a figurar em quase trinta livros, além de ser adaptado para a televisão e traduzido em dezenas de países, num êxito internacional. As características desse investigador humano, demasiado humano, lhe valeriam comparações com Jules Maigret e Philip Marlowe, entre outros. 

Montalbano é investigador da polícia de Vigàta, a localidade siciliana fictícia que corresponde a Porto Empedocle, cidade natal do romancista. Lá, o oficial se depara com crimes que não são delitos isolados, mas que se conectam inextricavelmente à sociedade local – desigual, conservadora e submissa à cosa nostra. Tudo isso ambientado em um cenário idílico e regado a um estilo de escrita primoroso.

Nunca a literatura policial foi tão feliz ao explorar o paradoxo da miséria e da grandeza de uma região e de seus habitantes

" />