Coleção L&PM E-books


AMAR OU DEPENDER?

¿AMAR O DEPENDER?

Walter Riso

Tradução de Marlova Aseff

Um guia para os primeiros passos em direção a uma vida
amorosa saudável, plena e feliz

Muito se fala sobre o lado cor-de-rosa do amor, mas poucos têm coragem de expor o lado sombrio de uma paixão – quando o que deveria gerar alegria e prazer se transforma em uma fonte de sofrimento e dano à autoestima. Reconhecer o limite entre o amor e a dependência afetiva, entretanto, nem sempre é fácil. Em Amar ou depender?, o psicólogo Walter Riso, autor de obras que venderam cerca de 2 milhões de exemplares em todo o mundo, mostra os principais problemas atrelados ao apego excessivo e ensina que a cura não só existe como está ao alcance de todos.

Especialista em terapia cognitiva, Riso traduz conceitos científicos para uma linguagem simples, clara e direta, fazendo de Amar ou depender? um guia para os primeiros passos em direção a uma vida amorosa saudável, plena e feliz.

"Depender da pessoa que se ama é uma maneira de se enterrar em vida, um ato de automutilação psicológica em que o amor-próprio, o autorrespeito e a nossa essência são oferecidos e presenteados irracionalmente. Quando a dependência está presente, entregar-se, mais do que um ato de carinho desinteressado e generoso, é uma forma de capitulação, uma rendição conduzida pelo medo com a finalidade de preservar as coisas boas que a relação oferece. Sob o disfarce de amor romântico, a pessoa dependente afetiva começa a sofrer uma despersonalização lenta e implacável até se transformar num anexo da pessoa "amada", um simples apêndice. Quando a dependência é mútua, o enredo é funesto e tragicômico: se um espirra, o outro assoa o nariz. Ou, numa descrição igualmente doentia: se um sente frio, o outro coloca o casaco." (Walter Riso)

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    AMAR OU DEPENDER?

  • Título Original:
    ¿AMAR O DEPENDER?
  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Comportamento
  • eISBN:
    978.85.254.3176-9
  • Edição:
    outubro de 2009

Vida & Obra

Walter Riso

Walter Riso nasceu em 1951, em Nápoles, na Itália. Ainda jovem emigrou para Buenos Aires, onde viveu até mudar-se para a Colômbia, em 1979. Em Medellín, concluiu seus estudos e iniciou a carreira de psicólogo, tendo também estudado filosofia e bioética e se especializado em terapia cognitiva. Além de terapeuta, é professor universitário. É autor de vários best-sellers internacionais, dentre os quais Amar ou depender?, Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Muito se fala sobre o lado cor-de-rosa do amor, mas poucos têm coragem de expor o lado sombrio de uma paixão – quando o que deveria gerar alegria e prazer se transforma em uma fonte de sofrimento e dano à autoestima. Reconhecer o limite entre o amor e a dependência afetiva, entretanto, nem sempre é fácil. Em Amar ou depender?, o psicólogo Walter Riso, autor de obras que venderam cerca de 2 milhões de exemplares em todo o mundo, mostra os principais problemas atrelados ao apego excessivo e ensina que a cura não só existe como está ao alcance de todos.

Especialista em terapia cognitiva, Riso traduz conceitos científicos para uma linguagem simples, clara e direta, fazendo de Amar ou depender? um guia para os primeiros passos em direção a uma vida amorosa saudável, plena e feliz.

"Depender da pessoa que se ama é uma maneira de se enterrar em vida, um ato de automutilação psicológica em que o amor-próprio, o autorrespeito e a nossa essência são oferecidos e presenteados irracionalmente. Quando a dependência está presente, entregar-se, mais do que um ato de carinho desinteressado e generoso, é uma forma de capitulação, uma rendição conduzida pelo medo com a finalidade de preservar as coisas boas que a relação oferece. Sob o disfarce de amor romântico, a pessoa dependente afetiva começa a sofrer uma despersonalização lenta e implacável até se transformar num anexo da pessoa "amada", um simples apêndice. Quando a dependência é mútua, o enredo é funesto e tragicômico: se um espirra, o outro assoa o nariz. Ou, numa descrição igualmente doentia: se um sente frio, o outro coloca o casaco." (Walter Riso)

" />