Outros Formatos


OS REBELDES: GERAÇÃO BEAT E ANARQUISMO MÍSTICO

Rebeldes, místicos, religiosos e geniais

A Geração Beat, de um pequeno grupo de poetas e escritores ditos marginais surgido nos Estados Unidos da década de 1950, se consolidou em um movimento que deixou como herança um rastro permanente na cultura e sociedade, rejeitando os padrões burgueses – artísticos e comportamentais – do american way of life pós-Segunda Guerra Mundial.
A literatura e a cultura em geral nunca mais seriam as mesmas depois do americaníssimo On the Road de Jack Kerouac, dos poemas de Lawrence Ferlinghetti e de Allen Ginsberg.
A contracultura esteve quase sempre imbuída de uma pluralidade não apenas política e literária, mas também religiosa, que não pode deixar de ser associada ao perfil de seus integrantes. Os beats não se limitaram a recuperar e reviver mitos arcaicos: criaram um novo mito. Um mito autorreferente, tendo como um dos alicerces o misticismo. A rejeição aos padrões tradicionais, as inovações de estilo, a experiência com drogas em busca da sublimação espiritual e o interesse pela religião oriental foram o estopim e um dos grandes diferenciais desse movimento fundador.
Em Os rebeldes, Willer aborda a dimensão mística e revela a história desses personagens-personalidades que transcenderam os próprios limites e os de sua época. Inspirados nos escritos de William Blake, Arthur Rimbaud e W.B. Yeats, os beats  fundamentaram sua ideologia em tradições religiosas as mais variadas e assim constituíram a base para uma nova filosofia de vida e de arte, além de abrir mil e uma estradas
que não cessam de ser percorridas, uma geração após a outra.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    OS REBELDES: GERAÇÃO BEAT E ANARQUISMO MÍSTICO

  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Literatura moderna brasileira
    Ensaios
  • Série:
    Beats
  • Cód.Barras:
    9788525430915
  • ISBN:
    978-85-254-3091-5
  • Páginas:
    200
  • Edição:
    maio de 2014

Vida & Obra

Claudio Willer

Nasceu em São Paulo em 1940 e é poeta, ensaísta e tradutor, ligado à criação literária mais rebelde, ao surrealismo e geração beat. Acaba de lançar Os rebeldes: Geração Beat e anarquismo místico (L&PM, 2014). Outras publicações recentes: Manifestos, 1964-2010, (Azougue, 2013), Um obscuro encanto: gnose, gnosticismo e poesia (Civilização Brasileira, 2010); Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


On the Road de Jack Kerouac, dos poemas de Lawrence Ferlinghetti e de Allen Ginsberg.
A contracultura esteve quase sempre imbuída de uma pluralidade não apenas política e literária, mas também religiosa, que não pode deixar de ser associada ao perfil de seus integrantes. Os beats não se limitaram a recuperar e reviver mitos arcaicos: criaram um novo mito. Um mito autorreferente, tendo como um dos alicerces o misticismo. A rejeição aos padrões tradicionais, as inovações de estilo, a experiência com drogas em busca da sublimação espiritual e o interesse pela religião oriental foram o estopim e um dos grandes diferenciais desse movimento fundador.
Em Os rebeldes, Willer aborda a dimensão mística e revela a história desses personagens-personalidades que transcenderam os próprios limites e os de sua época. Inspirados nos escritos de William Blake, Arthur Rimbaud e W.B. Yeats, os beats  fundamentaram sua ideologia em tradições religiosas as mais variadas e assim constituíram a base para uma nova filosofia de vida e de arte, além de abrir mil e uma estradas
que não cessam de ser percorridas, uma geração após a outra.
" />