Outros Formatos


PREDADORES

R$46,90

Quando você começou a sentir ciúmes, a dizer que eu tinha dono, a me chamar de “tua”, a vigiar meus passos, a fazer perguntas demais, a regular o tamanho do meu vestido, confesso que gostei. [...]

E mais: senti um alívio. Eu tenho muita vergonha de admitir isso, mas é verdade. Eu tinha medo de que esse tipo de relação nunca acontecesse comigo: um namoro em que me sentisse não só desejada, mas amada, cuidada e protegida.

É horrível admitir, mas o jeito doente com que você me tratou fez com que eu me sentisse finalmente amada. 

O ciúme. O controle. Os rompantes. O zigue-zague atordoante de uma relação que nunca mais foi tranquila. Sempre aos solavancos. Sempre à mercê da explosão da tua desconfiança. 

E eu achei que era amor.

 

Clara, a protagonista deste romance e alter ego da autora, é protegida por diversas camadas sociais: é branca, de classe média alta, com formação universitária, criada por uma família estruturada e amorosa, que apoia sua carreira artística. 

Do alto de seus privilégios, ela e suas amigas curtem a vida ao máximo – ou ao máximo do que é permitido para jovens mulheres urbanas e escolarizadas nos dias de hoje. Feministas inveteradas que são, dão duro na carreira, amam a boemia e são donas de seus corpos, do qual usufruem como bem entendem.

Mas um maníaco está solto pela cidade, espalhando o horror ao atacar jovens desacompanhadas jogando ácido em seus rostos. Os ataques em série saltam das páginas policiais para a capa dos jornais locais – e trazem à tona o sentimento ancestral que as mulheres tentam sufocar diariamente para poderem viver: o medo de estar à mercê dos homens.

Em meio às delícias da independência e da sororidade, as amigas desbravam a vida adulta, havendo-se com as pequenas violências cotidianas da melhor forma que podem. Será que sabem que há coisas das quais nunca estarão a salvo?

Os Editores


Clara Corleone nasceu em Porto Alegre. É atriz (formada pela UFRGS), escritora e professora de escrita criativa. Publicou o livro de crônicas O homem infelizmente tem que acabar (Zouk, 2019), que recebeu o prêmio Minuano de Literatura, do Instituto Estadual do Livro do Rio Grande do Sul, e o romance Porque era ela, porque era eu (2021), vencedor do Prêmio Jacarandá, categoria autor revelação.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    PREDADORES

  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Literatura moderna brasileira
  • Cód.Barras:
  • ISBN:
    9786556662855
  • Formato:
    14x21
  • Páginas:
    160
  • Medidas:
    14 X 21 X 1,1 cm
  • Edição:
    setembro de 2022

Vida & Obra

Clara Corleone

Clara Corleone nasceu em Porto Alegre. É atriz (formada pela UFRGS), escritora e professora de escrita criativa. Publicou o livro de crônicas O homem infelizmente tem que acabar (Zouk, 2019), que recebeu o prêmio Minuano de Literatura, do Instituto Estadual do Livro do Rio Grande do Sul. Mora em sua cidade natal, no bairro boêmio do Bom Fim, com duas cachorras, uma gata e um monte de livros. Porque era ela, porque era eu é o seu ...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Quando você começou a sentir ciúmes, a dizer que eu tinha dono, a me chamar de “tua”, a vigiar meus passos, a fazer perguntas demais, a regular o tamanho do meu vestido, confesso que gostei. [...]

E mais: senti um alívio. Eu tenho muita vergonha de admitir isso, mas é verdade. Eu tinha medo de que esse tipo de relação nunca acontecesse comigo: um namoro em que me sentisse não só desejada, mas amada, cuidada e protegida.

É horrível admitir, mas o jeito doente com que você me tratou fez com que eu me sentisse finalmente amada. 

O ciúme. O controle. Os rompantes. O zigue-zague atordoante de uma relação que nunca mais foi tranquila. Sempre aos solavancos. Sempre à mercê da explosão da tua desconfiança. 

E eu achei que era amor.

 

Clara, a protagonista deste romance e alter ego da autora, é protegida por diversas camadas sociais: é branca, de classe média alta, com formação universitária, criada por uma família estruturada e amorosa, que apoia sua carreira artística. 

Do alto de seus privilégios, ela e suas amigas curtem a vida ao máximo – ou ao máximo do que é permitido para jovens mulheres urbanas e escolarizadas nos dias de hoje. Feministas inveteradas que são, dão duro na carreira, amam a boemia e são donas de seus corpos, do qual usufruem como bem entendem.

Mas um maníaco está solto pela cidade, espalhando o horror ao atacar jovens desacompanhadas jogando ácido em seus rostos. Os ataques em série saltam das páginas policiais para a capa dos jornais locais – e trazem à tona o sentimento ancestral que as mulheres tentam sufocar diariamente para poderem viver: o medo de estar à mercê dos homens.

Em meio às delícias da independência e da sororidade, as amigas desbravam a vida adulta, havendo-se com as pequenas violências cotidianas da melhor forma que podem. Será que sabem que há coisas das quais nunca estarão a salvo?

Os Editores


Clara Corleone nasceu em Porto Alegre. É atriz (formada pela UFRGS), escritora e professora de escrita criativa. Publicou o livro de crônicas O homem infelizmente tem que acabar (Zouk, 2019), que recebeu o prêmio Minuano de Literatura, do Instituto Estadual do Livro do Rio Grande do Sul, e o romance Porque era ela, porque era eu (2021), vencedor do Prêmio Jacarandá, categoria autor revelação.

" />