Coleção L&PM E-books


A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES - Eça de Queiroz

A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES

A modernidade e o estilo de A correspondência de Fradique Mendes são um marco da literatura portuguesa. Eça de Queiroz criou um personagem fascinante, deu-lhe uma pátria, uma família, gostos, profissão e estilo próprio para criar uma voz diferente da sua – que fizesse um juízo sobre o mundo e sobre a sociedade portuguesa.

A correspondência de Fradique Mendes é dividida em duas partes: "Memórias e notas" e "As cartas". Na primeira, o autor traça um saboroso perfil biográfico de Fradique. Nesta obra de humor clássico e refinado emerge um Fradique de caráter enigmático, aristocrata, poliglota e intelectual, símbolo de uma geração de pensadores da qual o próprio Eça participou. Já "As cartas", publicadas inicialmente no jornal Repórter de Lisboa e na Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, são um retrato notável da época. Discutem desde grandes questões da humanidade até detalhes pessoais. Apesar de ver a vida como uma "escura debandada para a morte", Fradique acreditava que era possível debandar com arte, graça, estilo e, acima de tudo, bom humor.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    A CORRESPONDÊNCIA DE FRADIQUE MENDES

  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Literatura clássica internacional
  • eISBN:
    978.85.254.2541-6

Vida & Obra

Eça de Queiroz

 Eça de Queiroz nasceu em 25 de novembro de 1845 em Póvoa de Varzim, Portugal. Formado pela Universidade de Coimbra em 1866, dois anos depois se estabeleceu como advogado em Lisboa. Em 1869, em companhia do conde de Resende, vai para a Palestina e depois para o Egito, a fim de fazer a reportagem da inauguração do Canal de Suez. Dessa viagem surge a inspiração para A Relíquia e O Egito. Em 1870, é aprovado em concurso para a carreira diplomática e em 1872 é nomeado cônsul em ...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Repórter de Lisboa e na Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, são um retrato notável da época. Discutem desde grandes questões da humanidade até detalhes pessoais. Apesar de ver a vida como uma "escura debandada para a morte", Fradique acreditava que era possível debandar com arte, graça, estilo e, acima de tudo, bom humor.

" />