Coleção L&PM Pocket


""Madame Bovary" é um monumento de palavras."

Mario Vargas Llosa

MADAME BOVARY

MADAME BOVARY

Flaubert

Tradução de Ilana Heineberg

Nova tradução de Ilana Heineberg

Emma é uma mulher sonhadora, uma pequeno-bur­guesa criada no campo que aprendeu a ver a vida através da literatura senti­men­tal. Bonita e requintada para os padrões provincianos, casa-se com Charles Bovary, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento de uma filha dá alegria ao indissolúvel casamento no qual a protagonista sente-se presa. Como Dom Quixote, que leu romances de cavalaria demais e pôs-se a guerrear com moinhos, ela tenta dar vida e paixão à sua existência, escolha que levará a uma sucessão de erros e a uma descida ao inferno.

Emma Bovary c’est moi”, disse Gustave Flaubert (1821-1880), o criador deste que é considerado o ápice da narrativa longa do século XIX – o chamado século de ouro do romance. Flaubert, o esteta, aquele que buscava o mot juste (a palavra exata) e burilava os seus textos por anos a fio, imbuiu-se da consciência e da sensibilidade da sua perso­nagem. Atingiu, com a irretocável prosa de Madame Bovary, o mais alto grau de penetração e análise psicológica da literatura universal. Nunca um romancista talhou com tanto esmero a mente e as aflições de sua personagem.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    MADAME BOVARY

  • Título Original:
    MADAME BOVARY
  • Catálogo:
    Coleção L&PM Pocket
  • Gênero:
    Literatura clássica internacional
    Romance
  • Referência:
    328
  • Cód.Barras:
    9788525412751
  • ISBN:
    978.85.254.1275-1
  • Páginas:
    336
  • Edição:
    outubro de 2003

Vida & Obra

Flaubert

Gustave Flaubert nasceu em Rouen, na França, em 12 de dezembro de 1821, e morreu no dia 8 de maio de 1880. Filho do cirurgião-chefe do hospital local, cresceu nas imediações do hospital, entre doentes, utensílios médicos e enfermeiros. Começou a escrever ainda cedo, na mesma época em que foi reprovado nos exames da Faculdade de Direito de Paris. Seu pai, evidentemente, opunha-se às aspirações artísticas do filho. Entre 1844 e 1851, uma série de acontecimentos dramáticos desestabilizaram o jovem ...

Ler mais

Opinião do Leitor

Aguinaldo Olimpio Rocha Júnior
Bom Despacho/MG

Toda mulher, tem "EMMA" dormitando no subconsciente, igualmente aquela,  deseja trair, todavia, o superego a impede. Mas, nos sonhos, livre da peias da civilização elas sonham e se entregam apaixonadamente aos desejos animalesco do inconsciente e prevaricam com artistas, vizinhos e namorados do passado. Portanto, Flaubert nada mais fez que dar asas à imaginação da mulher no sentido amplo, isso porque o sexo é dos instintos o mais flamejante...Dirai "flauberjante" ...Embora de eras diferentes, Nelson Rodriguês e Flaubert são idênticos nas tragédias reais da exist~encia traduzidas plea literatura. Ambos foram criticados. Flaubert mais porque viveu na época das trevas da quais o dramaturgo brasileiro se viu livre pela livre expressão da imprensa do século XX bem diferente da época de flaubert.

28/12/2013

Você também pode gostar