Outros Formatos


ESPELHOS – UMA HISTÓRIA QUASE UNIVERSAL

ESPEJOS – UNA HISTORIA CASI UNIVERSAL

Eduardo Galeano

Tradução de Eric Nepomuceno

Em Espelhos – uma história quase universal, Eduardo Galeano analisa a história da humanidade – de sua origem aos dias de hoje – sob a ótica dos desvalidos, dos esquecidos da história oficial. Em tom de crônica poética, o livro traz um inquietante panorama de acontecimentos e de transformações do mundo, misturando o passado e o presente. São quase 600 histórias breves que, segundo o próprio Galeano, proporcionam ao leitor viajar através de todos os mapas e de todos os tempos, sem limites, sem fronteiras.

Este livro foi escrito para que eles não se percam.
Nestas páginas se unem o passado e o presente.
Os mortos renascem, os anônimos têm nomes:
os homens que construíram os palácios e templos de seus amos;
as mulheres, ignoradas por aqueles que ignoram os próprios temores;
o sul e o oriente do mundo, desprezados por aqueles que desprezam as
próprias ignorâncias;
os muitos mundos que o mundo contém e esconde;
os pensadores e sentidores;
os curiosos, condenados a perguntar, e os rebeldes e os perdedores e os
loucos lindos têm sido e são o sal da terra.

(Trecho do livro)

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    ESPELHOS – UMA HISTÓRIA QUASE UNIVERSAL

  • Título Original:
    ESPEJOS – UNA HISTORIA CASI UNIVERSAL
  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Ensaios
  • Série:
    Galeano
  • Cód.Barras:
    9788525418098
  • ISBN:
    978.85.254.1809-8
  • Páginas:
    362
  • Edição:
    outubro de 2008

Vida & Obra

Eduardo Galeano

Eduardo Galeano (1940-2015) nasceu em Montevidéu, no Uruguai. Viveu exilado na Argentina e na Catalunha, na Espanha, desde 1973. No início de 1985, com o fim da ditadura, voltou a Montevidéu. Galeano comete, sem remorsos, a violação de fronteiras que separam os gêneros literários. Ao longo de uma obra na qual confluem narração e ensaio, poesia e crônica, seus livros recolhem as vozes da alma e da rua e oferecem uma síntese da realidade e sua memória. Recebeu o prêmio José María Arguedas, outo...

Ler mais

Opinião do Leitor

João Manoel de Oliveira
Porto Alegre

Trata-se de uma obra fundamental, daquelas que servem para consultas permanentes, que podem ser relidas a qualquer tempo e que, portanto, devem ficar ao alcance da mão. Um dos melhores e mais consequentes livros que li.

04/09/2013

Você também pode gostar