Outros Formatos


O FUTURO DE UMA ILUSÃO SEGUIDO DE O MAL-ESTAR NA CULTURA

DIE ZUKUNFT EINER ILLUSION E DAS UNBEHAGEN IN DER KULTUR

Sigmund Freud

Tradução de Renato Zwick

Religião e culpa

Tradução do alemão de Renato Zwick
Revisão técnica e prefácios de Renata Udler Cromberg e Márcio Seligmann-Silva
Ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa

Em 1927, Sigmund Freud (1856-1939) publicou O futuro de uma ilusão, que se tornaria um de seus textos mais difundidos. Endereçado a seu amigo e reverendo protestante Oskar Pfister, a obra consiste numa reflexão sobre o hábito de as pessoas se voltarem à religião em busca de soluções para problemas terrenos. Freud, que se autodenominava judeu ateu, não acreditava na religião – “a neurose obsessiva universal da humanidade” – como forma de apreensão do mundo; aqui ele demonstra que ela depende de sentimentos infantis não resolvidos e mais: é a culpada pela atrofia intelectual da maior parte dos seres humanos.

Dois anos depois, em 1929, volta ao tema e aprofunda sua reflexão, dessa vez estendendo a análise para a cultura em geral. Em O mal-estar na cultura (publicado em 1930), já mais pessimista, vê o desamparo infantil como estando na gênese do sentimento religioso do adulto, e a cultura (ou a civilização) como algo que exige o recalque de sentimentos espontâneos. O mal-estar estaria não só na base da religiosidade, mas seria fundação do nosso próprio estado de cultura. 

Eis aqui, pela primeira vez traduzidos diretamente do alemão e reunidos num mesmo volume, dois dos textos sociais de Freud, intérprete da humanidade, tão influentes hoje quanto à época de sua publicação.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    O FUTURO DE UMA ILUSÃO SEGUIDO DE O MAL-ESTAR NA CULTURA

  • Título Original:
    DIE ZUKUNFT EINER ILLUSION E DAS UNBEHAGEN IN DER KULTUR
  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Psicanálise
  • Série:
    Clássicos Modernos
    Freud
  • Cód.Barras:
    9788525437655
  • ISBN:
    978.85.254.3765-5
  • Páginas:
    208
  • Edição:
    junho de 2018

Vida & Obra

Sigmund Freud

Nasceu em Freiberg, na Morávia (hoje República Tcheca). Devido a problemas econômicos, sua família se mudou para a Aústria em 1860. Aos 17 anos, Freud ingressou na Universidade de Viena para estudar medicina. Em 1886, se casou com Martha Bernays e abriu uma clínica especializada em distúrbios nervosos, onde desenvolveu o princípio da psicanálise. No ano de 1900, foi designado professor na mesma universidade. Em 1938, refugiou-se com sua família em Londres, em função da perseguiç...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Religião e culpa

Tradução do alemão de Renato Zwick
Revisão técnica e prefácios de Renata Udler Cromberg e Márcio Seligmann-Silva
Ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa

Em 1927, Sigmund Freud (1856-1939) publicou O futuro de uma ilusão, que se tornaria um de seus textos mais difundidos. Endereçado a seu amigo e reverendo protestante Oskar Pfister, a obra consiste numa reflexão sobre o hábito de as pessoas se voltarem à religião em busca de soluções para problemas terrenos. Freud, que se autodenominava judeu ateu, não acreditava na religião – “a neurose obsessiva universal da humanidade” – como forma de apreensão do mundo; aqui ele demonstra que ela depende de sentimentos infantis não resolvidos e mais: é a culpada pela atrofia intelectual da maior parte dos seres humanos.

Dois anos depois, em 1929, volta ao tema e aprofunda sua reflexão, dessa vez estendendo a análise para a cultura em geral. Em O mal-estar na cultura (publicado em 1930), já mais pessimista, vê o desamparo infantil como estando na gênese do sentimento religioso do adulto, e a cultura (ou a civilização) como algo que exige o recalque de sentimentos espontâneos. O mal-estar estaria não só na base da religiosidade, mas seria fundação do nosso próprio estado de cultura. 

Eis aqui, pela primeira vez traduzidos diretamente do alemão e reunidos num mesmo volume, dois dos textos sociais de Freud, intérprete da humanidade, tão influentes hoje quanto à época de sua publicação.

" />