Coleção L&PM E-books


PSICOLOGIA DAS MASSAS E ANÁLISE DO EU

Sigmund Freud

Tradução de Renato Zwick

Em Psicologia das massas e análise do eu, Sigmund Freud investiga uma questão que sempre o inquietou: o que mantém coesa uma massa de pessoas? Este que é um dos chamados “textos sociais” do autor foi construído à luz dos então mais recentes estudos sobre antropologia e psicologia dos povos. Utilizando conceitos como identificação, regressão, idealização, libido e recalque, Freud esmiúça o funcionamento dos grandes grupos e os mecanismos inconscientes que propiciam que uma multidão de seres pensantes se submeta cegamente a um líder.

Gestada durante anos, mas publicada apenas em 1921, a obra traz, inerentes, ecos do momento histórico em que foi elaborada – em uma Europa devastada pela barbárie da guerra, ganhava força o movimento nazifascista. Porém, hoje, num mundo superpopuloso em que a individualidade muitas vezes é aniquilada pela força das multidões e em que a intolerância religiosa está na ordem do dia, fica ainda mais evidente a genialidade de Freud ao aplicar a psicanálise a outros campos do conhecimento, bem como o amplo alcance e a atualidade de seu pensamento.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    PSICOLOGIA DAS MASSAS E ANÁLISE DO EU

  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Psicanálise
    Filosofia Ensaios
  • eISBN:
    978.85.254.2979-7

Vida & Obra

Sigmund Freud

Nasceu em Freiberg, na Morávia (hoje República Tcheca). Devido a problemas econômicos, sua família se mudou para a Aústria em 1860. Aos 17 anos, Freud ingressou na Universidade de Viena para estudar medicina. Em 1886, se casou com Martha Bernays e abriu uma clínica especializada em distúrbios nervosos, onde desenvolveu o princípio da psicanálise. No ano de 1900, foi designado professor na mesma universidade. Em 1938, refugiou-se com sua família em Londres, em função da perseguiç...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Em Psicologia das massas e análise do eu, Sigmund Freud investiga uma questão que sempre o inquietou: o que mantém coesa uma massa de pessoas? Este que é um dos chamados “textos sociais” do autor foi construído à luz dos então mais recentes estudos sobre antropologia e psicologia dos povos. Utilizando conceitos como identificação, regressão, idealização, libido e recalque, Freud esmiúça o funcionamento dos grandes grupos e os mecanismos inconscientes que propiciam que uma multidão de seres pensantes se submeta cegamente a um líder.

Gestada durante anos, mas publicada apenas em 1921, a obra traz, inerentes, ecos do momento histórico em que foi elaborada – em uma Europa devastada pela barbárie da guerra, ganhava força o movimento nazifascista. Porém, hoje, num mundo superpopuloso em que a individualidade muitas vezes é aniquilada pela força das multidões e em que a intolerância religiosa está na ordem do dia, fica ainda mais evidente a genialidade de Freud ao aplicar a psicanálise a outros campos do conhecimento, bem como o amplo alcance e a atualidade de seu pensamento.

" />