Coleção L&PM E-books


O CASO SCHREBER - Sigmund Freud

O CASO SCHREBER

PSYCHOANALYTISCHE BEMERKUNGEN ÜBER EINEN AUTOBIOGRAPHISCH BESCHRIEBENEN FALL VON PARANOIA

Sigmund Freud

Tradução de Renato Zwick

“A investigação psicanalítica da paranoia seria absolutamente impossível se os doentes não tivessem a peculiaridade de revelar, embora de forma distorcida, precisamente o que os outros neuróticos ocultam como segredo.”

 

Tradução do alemão de Renato Zwick
Prefácio de Noemi Moritz Kon e Thiago P. Majolo
Ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa

 

Em 1903, era publicada a autobiografia Memórias de um doente dos nervos, escrita pelo alto magistrado alemão Daniel Paul Schreber. No livro, ele relatava seu adoecimento mental, que incluía delírios persecutórios. Apresentado à obra por Jung, Sigmund Freud decidiu a partir dela escrever a presente narrativa clínica. Aqui pela primeira vez o método psicanalítico é aplicado para estudos além da neurose. Fascinado pelo discurso da loucura de Schreber, como se a própria linguagem revelasse o método da insani­dade mental, Freud enxergou no relato do doente não apenas uma psicose, mas também uma busca desesperada por cura.

Suscitando polêmica desde sua publicação, O caso Schreber é um dos textos fundamentais de Freud. Como as demais obras do autor, fala muito sobre a época em que foi escrita e, ainda hoje, convida a profundas reflexões não apenas sobre a saúde mental e a psicanálise, mas sobre a cultura do nosso tempo.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    O CASO SCHREBER

  • Título Original:
    PSYCHOANALYTISCHE BEMERKUNGEN ÜBER EINEN AUTOBIOGRAPHISCH BESCHRIEBENEN FALL VON PARANOIA
  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Psicanálise
  • eISBN:
    978-65-5666-199-5
  • Edição:
    setembro de 2021

Vida & Obra

Sigmund Freud

Nasceu em Freiberg, na Morávia (hoje República Tcheca). Devido a problemas econômicos, sua família se mudou para a Aústria em 1860. Aos 17 anos, Freud ingressou na Universidade de Viena para estudar medicina. Em 1886, se casou com Martha Bernays e abriu uma clínica especializada em distúrbios nervosos, onde desenvolveu o princípio da psicanálise. No ano de 1900, foi designado professor na mesma universidade. Em 1938, refugiou-se com sua família em Londres, em função da perseguiç...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


“A investigação psicanalítica da paranoia seria absolutamente impossível se os doentes não tivessem a peculiaridade de revelar, embora de forma distorcida, precisamente o que os outros neuróticos ocultam como segredo.”

 

Tradução do alemão de Renato Zwick
Prefácio de Noemi Moritz Kon e Thiago P. Majolo
Ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa

 

Em 1903, era publicada a autobiografia Memórias de um doente dos nervos, escrita pelo alto magistrado alemão Daniel Paul Schreber. No livro, ele relatava seu adoecimento mental, que incluía delírios persecutórios. Apresentado à obra por Jung, Sigmund Freud decidiu a partir dela escrever a presente narrativa clínica. Aqui pela primeira vez o método psicanalítico é aplicado para estudos além da neurose. Fascinado pelo discurso da loucura de Schreber, como se a própria linguagem revelasse o método da insani­dade mental, Freud enxergou no relato do doente não apenas uma psicose, mas também uma busca desesperada por cura.

Suscitando polêmica desde sua publicação, O caso Schreber é um dos textos fundamentais de Freud. Como as demais obras do autor, fala muito sobre a época em que foi escrita e, ainda hoje, convida a profundas reflexões não apenas sobre a saúde mental e a psicanálise, mas sobre a cultura do nosso tempo.

" />