Coleção L&PM Pocket


LIBELO CONTRA A ARTE MODERNA

LES COCUS DU VIEIL ART MODERNE

Salvador Dalí

Tradução de Paulo Neves

R$13,90

Alguém ousaria criticar Picasso, Rimbaud e Miró? E questionar Le Corbusier, Cézanne e Mondrian? Salvador Dalí (1904-1989) o faz. Em Libelo contra a arte moderna, uma das mais polêmicas personalidades do século XX escreve um panfleto contra os críticos que se curvam às vanguardas e profere algumas verdades à arte moderna. Para esse artista multimídia, que conviveu com Luis Buñuel, Federico García Lorca e outros inovadores, a arte moderna não só engana como também corneia os próprios críticos, promovendo a feiúra generalizada e a hipervalorização da técnica. Escrito e publicado em 1956, na França, Libelo contra a arte moderna é uma leitura atual e provocativa, saída da mente daquele que personificou o movimento surrealista.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    LIBELO CONTRA A ARTE MODERNA

  • Título Original:
    LES COCUS DU VIEIL ART MODERNE
  • Catálogo:
    Coleção L&PM Pocket
  • Gênero:
    Arte
    Ensaios
  • Série:
    L&PM Pocket Plus
  • Referência:
    713
  • Cód.Barras:
    9788525418050
  • ISBN:
    978.85.254.1805-0
  • Páginas:
    112
  • Edição:
    julho de 2008

Vida & Obra

Salvador Dalí

Salvador Dalí nasceu em 11 de maio de 1904, na cidade de Figueres (Catalunha, Espanha). Em 1922, ingressou na Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, em Madri, de onde foi expulso em 1926, pouco antes dos exames finais. Nessa época, conviveu com artistas como Federico Garcia Lorca e Luis Buñuel.

O reconhecimento do seu trabalho artístico ocorreu cedo, mais precisamente com sua primeira exposição, em 1925, em Barcelona. No ano seguinte, instalado em Pa...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Alguém ousaria criticar Picasso, Rimbaud e Miró? E questionar Le Corbusier, Cézanne e Mondrian? Salvador Dalí (1904-1989) o faz. Em Libelo contra a arte moderna, uma das mais polêmicas personalidades do século XX escreve um panfleto contra os críticos que se curvam às vanguardas e profere algumas verdades à arte moderna. Para esse artista multimídia, que conviveu com Luis Buñuel, Federico García Lorca e outros inovadores, a arte moderna não só engana como também corneia os próprios críticos, promovendo a feiúra generalizada e a hipervalorização da técnica. Escrito e publicado em 1956, na França, Libelo contra a arte moderna é uma leitura atual e provocativa, saída da mente daquele que personificou o movimento surrealista.

" />