em 


Opções Avançadas

Vida & Obra

 

Livros do Autor



A DAMA DAS CAMÉLIAS

Alexandre Dumas Filho
Tradução de Caroline Chang

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
ISBN 978.85.254.2365-8

R$11,90



A DAMA DAS CAMÉLIAS

Alexandre Dumas Filho
Tradução de Caroline Chang

Coleção L&PM Pocket
Ref. 341
224 páginas
ISBN 978.85.254.1334-5
Também em e-book

R$18,90

Alexandre Dumas Filho

Nasceu em Paris, em 29 de junho de 1824, filho do escritor Alexandre Dumas (autor de O conde de Monte Cristo, Os três mosqueteiros, entre outros), que começava a se tornar famoso, e de uma lavadeira dez anos mais velha, Catherine Labay. Enquanto criança, Alexandre Dumas filho foi educado pela mãe nos arredores de Paris. À distância, prestava culto ao pai, que se tornara tão renomado quanto Victor Hugo. Pai e filho só se conheceriam em 1931.

Alexandre Dumas afastou o jovem Alexandre da mãe, que ele julgava ineficaz para a educação do menino, e inscreveu-o em um colégio interno, onde o jovem acostumou-se com a palavra “bastardo”, proferida pelos colegas. A despeito do turbilhão que era a sua vida, Dumas pai fez uma contribuição fundamental para a carreira do filho: introduziu-o à elegante sociedade parisiense da época, aos teatros, aos cafés literários e aos saraus. Já moço, Alexandre Dumas filho era um dândi e um observador da alta sociedade francesa do século XIX, à qual não pertencia de berço, mas que freqüentava e com a qual até se identificava, por vezes.

Alexandre começou a se tornar independente do famoso pai, iniciando em um emprego burocrático e publicando poemas em jornais. Em meio a esses ambientes ricos e elegantes conheceu, em 1842, aos dezoito anos, uma jovem de vinte anos, vestida de branco. Era uma famosa cortesã, Marie Duplessis, que tinha clientes como o compositor Franz Liszt e de quem Alexandre tornou-se amante. Ele e Marie romperam em 1845, e parte da justificativa pode ser buscada no seguinte trecho de uma carta de Alexandre: “Minha cara Marie, não sou rico o suficiente para amá-la como eu gostaria, nem pobre o suficiente para ser amado como você gostaria que eu fosse”.

Seguindo com a sua vida, Alexandre publicou seu primeiro livro de poemas, Péchés de jeunesse (Pecados de juventude), financiado pelo pai, e um romance, Histoire de quatre femmes et d’un perroquet (A história de quatro mulheres e um papagaio), além de viajar pela Argélia e pela Espanha. Marie Duplessis faleceu em fevereiro de 1847, e essa morte afetou profundamente o escritor iniciante, que decidiu isolar-se para escrever a história do seu romance com a falecida cortesã. O resultado foi A dama das camélias, romance autobiográfico lançado em 1848 com enorme sucesso. Impulsionado pela fama, Alexandre Dumas filho escreveu romances e ensaios nos quais fazia um ajuste de contas com a sociedade que o humilhara. Em 1851, ele adaptou A dama das camélias para o teatro, mas a peça foi proibida por imoralidade. A primeira representação aconteceria apenas em fevereiro do ano seguinte.

O êxito teatral fez Alexandre engajar-se cada vez mais na carreira de dramaturgo. Em suas peças, opôs à moral da época uma visão moralista toda sua (critica, por exemplo, o adultério), ao passo que na vida real seguiu os passos do pai, envolvendo-se com inúmeras mulheres, muitas das quais casadas. Embora não fosse republicano, militou pela igualdade do homem e da mulher.

Por vezes sofria de crises nervosas. Em 1864, casou-se com a princesa Naryschkine, com quem já havia tido uma filha. Sua fama de escritor rivalizou internacionalmente com a de Alexandre Dumas pai, e, em 1875, o autor de A dama das camélias foi recebido por notáveis como Victor Hugo, que acabara de retornar do exílio, como membro da Academia Francesa de Letras – honraria que fora negada ao seu pai, pois os acadêmicos julgavam sua obra por demais frívola.

A partir daí, Alexandre Dumas filho viveu mais tranqüilamente, das rendas do sucesso de A dama das camélias, escrevendo pouco, cuidando dos filhos e travando campanhas políticas, como pela instituição do divórcio. Uma vez viúvo, casou-se novamente com Henriette Régnier, quarenta anos mais nova que ele. Morreu aos 65 anos, em Marly-le-Roy, no dia 27 de novembro. Algumas de suas outras obras são: O amigo das mulheres, A estrangeira, O filho natural, Pai pródigo, A princesa Georges, A dama das pérolas, Três homens fortes, O processo Clemenceau, Cesarina, O doutor Servans, Questão de dinheiro, Francillon, A princesa de Bagdá, Dionísia, As idéias de Mme. Aubray. Entretanto, é A dama das camélias a obra-prima do autor, responsável pelo seu renome até hoje.

Opinião do Leitor

"Acabei de assistir o filme OS MISERÁVEIS, completo e fiquei impressionado com a trama da obra fantástica no filme. Vou procurar ler mais deste autor tão incrível, e se possível, A DAMA DAS CAMÉLIAS, uma obra escrita  por seu filho Alexandre Dumas Filho."

Airton de Oliveira
Campinas , SP, BR

"LI O CONDE DE MONTE CRISTO É MARAVILHOSO.....PRETENDO LER AS OUTRAS OBRAS DELE TAMBEM......UM  ESCRITOR FORMIDAVEL"

ROSEMARY PAZ
CURITIBA PR

"Não a posso dar porque só li um livro dele.Mas deve ter sido sua obra de maior sucesso.Copiei a relação dos livros escritos por ele e pretendo lê-los."

mercedes luggeri de gusmão pinto
Santos/SP

voltar ir para o topo   imprimir página
 

Home    Quem Somos    Notícias    Mapa do Site    Fale Conosco    Podcast L&PM

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Alameda Santos, 1470, cj 310 - Cerqueira César - Fone: (11) 3578.6606 - São Paulo/SP - CEP 01418-903

© 2003-2019 Publibook Livros e Papeis Ltda. - CNPJ 87.932.463/0001-70 - Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva