em 


Opções Avançadas

Vida & Obra

 

Livros do Autor



CÂNDIDO OU O OTIMISMO

François Marie Arouet (Voltaire)
Tradução de Roberto Gomes

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
ISBN 978.85.254.2191-3

R$11,90



CÂNDIDO OU O OTIMISMO

François Marie Arouet (Voltaire)
Tradução de Roberto Gomes

Coleção L&PM Pocket
Ref. 92
144 páginas
ISBN 978.85.254.0874-7
Também em e-book

R$18,90



O FILÓSOFO IGNORANTE

François Marie Arouet (Voltaire)
Tradução de Paulo Neves

Prefácio de Bernard-Henri Lévy

Coleção L&PM Pocket
Ref. 1112
112 páginas
ISBN 978-85-254-2831-8
Também em e-book

R$14,90



TRATADO SOBRE A TOLERÂNCIA

François Marie Arouet (Voltaire)
Tradução de William Lagos

Coleção L&PM Pocket
Ref. 728
128 páginas
ISBN 978.85.254.1801-2
Também em e-book

R$16,90



TRATADO SOBRE A TOLERÂNCIA

François Marie Arouet (Voltaire)
Tradução de William Lagos

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
ISBN 978.85.254.2127-2

R$11,90

Veja Mais

François Marie Arouet (Voltaire)

François-Marie Arouet, conhecido como Voltaire (1694-1778), nasceu e morreu em Paris. Um dos mais célebres escritores do século XVIII. Escreveu tragédia, epopéia, história, crítica, romance e filosofia, tendo se tornado notável em todos esses gêneros, mas principalmente na filosofia. Descendente da pequena nobreza européia, desde cedo destacou-se como brilhante pensador, tendo freqüentado as melhores universidades do seu tempo. Com pouco mais de 20 anos, já havia sido preso e exilado por ordem do regente Felipe de Orleans a quem havia dedicado panfletos satíricos e críticos. No seu exílio inglês escreveu as célebres Cartas inglesas ou filosóficas.

Por haver sempre atacado com energia a intolerância religiosa e defendido com calor todas as causas que lhe pareceram justas, levantou freqüentemente contra si a ira dos poderosos da época, as quais chegaram mesmo, por duas vezes, a levá-lo à Bastilha. Mas tanto pela justiça e oportunidade dos seus ataques, como pelo caráter fundamental das suas obras; tanto pela elegância do seu espírito como pela variedade de conhecimentos que mostrou possuir, exerceu em toda a França, durante mais de cinqüenta anos de incessante atividade, verdadeira soberania literária e social.

As obras que compôs são inúmeras, alcançando algumas edições completas 95 volumes. Algumas das mais importantes são: Mérope, Tancredo, Henríada, O século de Luís XIV, Micromegas, Zadig, Cândido e o Dicionário filosófico.

Na vida de Voltaire há, ainda, um período que ficou célebre: o dos seus amores com a marquesa de Châtelet (1706-1749), mulher ilustradíssima e de grande formosura, que deixou várias obras e que exerceu sobre ele, durante alguns anos, bastante influência, levando-o ao estudo de Newton e de Leibnitz.

Seu derradeiro bilhete diz que “morria admirando os amigos, sem odiar os inimigos e detestando a superstição”.

Cronologia biobliográfica

1694   François-Marie Arouet nasce no dia 21 de novembro, último dos cinco filhos de François Arouet, notário, e Marguerite Daumard.

1701   Morte de sua mãe.

1704   François-Marie entra no liceu jesuíta Luis-le-Grand, depois de ter sido educado pelo abade de Châteneuf, seu padrinho.

1709-11 Já conhecido como poeta, o jovem François-Marie estuda retórica e filosofia, no que se sai com brilhantismo. Entra para a Escola de Direito.

1712   Nascimento de Jean-Jacques Rousseau.

1713   Enviado a Haya como secretário do embaixador da França, marquês de Châteneuf, irmão de seu padrinho, mantém uma ligação com uma jovem protestante, o que lhe vale a demissão do cargo e o retorno a Paris. Nascimento de Diderot.

1715   No dia 1º de setembro, morre Luiz XIV. Felipe de Orleãs torna-se regente. François-Marie escreve os primeiros contos e libera sua veia satírica, que não perdoa o regente.

1716   De maio a outubro, como conseqüência dos contos satíricos publicados, exílio em Sully-sur-Loire. Morte de Leibniz.

1717  Inicia a composição do poema Henriade. Pelas novelas satíricas contra o regente, é encarcerado na Bastilha por onze meses. Nascimento de d’Alembert.

1718   Libertado em abril, é exilado em Châtenay, quando adota o nome Voltaire, uma forma de se vingar do pai, do qual pretendia não ser filho. Sintomaticamente, em 18 de novembro se representa com sucesso sua peça Édipo.

1722   Morte de seu pai, François Arouet. Com a herança, Voltaire faz aplicações que resultam em bons rendimentos.

1723   Ligação com a senhora Bernières. Morre Felipe de Orleãs e o duque de Bourbon torna-se primeiro-ministro.

1724   Sua peça Mariamne é levada ao palco sem sucesso. Nasce Emmanuel Kant.

1726   Discussão com o cavaleiro de Rohan, que manda dar uma surra em Voltaire. Como exige o direito a um duelo, é preso na Bastilha, onde fica dois meses. Exílio na Inglaterra, onde, pelas mãos de lord Bolingbroke, relaciona-se com o círculo da alta cultura inglesa, entrando em contato com Berkeley, Swiff, Pope, estudando as instituições políticas inglesas, o pensamento de Locke, Bacon e Newton.

1728   Retorna clandestinamente à França.

1729   Retorna a Paris, onde residirá até 1733. Dedica-se a operações financeiras tortuosas e rentáveis.

1730   Conclui a História de Carlos XII. Em dezembro, primeira representação de Brutus.

1731   Como a polícia interditou a impressão de Carlos XII, Voltaire a imprime em Rouen. Ligação com a senhora Fontaine-Martel.

1732   Conclui uma versão das Cartas Filosóficas, nas quais critica o regime político francês, opondo-o ao liberalismo inglês. Morte da senhora Fontainne-Martel, em janeiro, e encontro com a senhora Châtelet, Émilie, que se torna sua amante e à qual permanecerá ligado até a morte dela. Sucesso triunfal com a tragédia Zaire.

1734   As Cartas Filosóficas são editadas na Inglaterra e na França e provocam escândalo. Para não ser preso, Voltaire se refugia na residência da senhora Châtelet, em Cyre-en-Champagne.

1735   Dedica-se a trabalhos de metafísica e física. Encenação de A morte de César.

1738   Escreve os primeiros Discursos sobre o homem e o conto Gangan.

1739   Acompanha a senhora Châtelet a Bruxelas, onde permanecerá até 1741, aproveitando para viajar à Holanda.

1740   Frederico II torna-se rei da Prússia.

1741   Começa a redação de uma obra que será o Ensaio sobre os costumes. Com a morte de Carlos VI, é declarada imperatriz sua filha Maria Tereza.

1741  Viagem a Bruxelas. Sua peça Maomé é interditada, em Paris, após a terceira representação. Frederico assina com a Áustria a paz de Breslau.

1744   Após a paz com a Prússia, a França declara guerra à Inglaterra e à Áustria. Com amigos no poder, Voltaire torna-se auxiliar do marques de Argenson, ministro dos negócios exteriores.

1745   Torna-se “historiógrafo da França”. Na ausência do rei, foi recebido por madame Pompadour e dará a entender, mais tarde, que se relacionou sexualmente com ela. Torna-se amante de madame Denis, sem separar-se de madame Châtelet. Conhece Jean-Jacques Rousseau.

1746   É eleito para a Academia Francesa. Recebe uma pensão do governo.

1747   Com a queda do marquês de Argenson, a situação de Voltaire se torna precária. Inicia Zadig.

1748   Madame Châtelet torna-se amante do poeta Saint-Lambert. Encenação de Sémiramis. Edição de Zadig. Publicação de O Espírito das Leis, de Montesquieu, que não agrada a Voltaire.

1749   Madame Châtelet morre em conseqüência de complicações de parto. Voltaire escreve Catilina.

1750   Madame Dinis instala-se na residência de Voltaire. Em Portugal, o rei José I nomeia Pombal, por quem Voltaire nutre grande admiração, primeiro ministro.

1751   Trabalha na obra Século de Luís XIV. Em Portugal, Pombal extingue os autos-de-fé.

1752   Edição de Século de Luís XIV. Escreve os primeiros artigos de uma “enciclopédia da razão”. Atrito com Frederico pela sua crítica a Maupertuis.

1753   Breve reconciliação com Frederico. A caminho de Frankfurt, é seqüestrado por emissários de Frederico, que só o liberam após a restituição de manuscritos do rei que incluiu em sua bagagem.

1754   Publicação dos Anais do Império.

1755   Sem permissão para retornar à França, se instala na Suíça, nas proximidades de Genebra, onde adquire a quinta Les Délices. Em 1º de novembro ocorre o terremoto de Lisboa, que faz vinte mil mortos e leva Voltaire a colocar clara objeção ao otimismo leibniziano. Compõe o Poema sobre o desastre de Lisboa. Morre Montesquieu.

1757   Retoma a correspondência com Frederico. Segue sua atividade como polemista.

1758   Retoma a redação de Cândido. Entrega a Diderot todos os artigos que este solicitara para a Enciclopédia. Em outubro, conclui Cândido.

1759   Publicação simultânea de Cândido em Paris, Londres, Amsterdã e Genebra. A obra é condenada em Paris e em Genebra.

1760   Edita a tragédia Tancredo.

1761   Escreve as Cartas sobre a Nova Heloísa, revidando a obra A Nova Heloísa, de Rousseau.

1763   Publica o Tratado sobre a Tolerância, celebrando o triunfo da razão.

1765   Publicação de A Filosofia da História.

1767   Escreve o conto O Ingênuo, contra os abusos políticos.

1768   Publica O Homem de Quarenta Escudos, conto, sobre a corrupção e a desigualdade na distribuição de riquezas.

1772   Concluída a edição da Enciclopédia.

1774   Morte de Luís XV.

1776   Publica A Bíblia enfim explicada.

1778 Voltaire prepara, a pedido de Beaumarchais, uma revisão de toda sua obra para uma edição completa. Sofre, a partir de maio, novos e severos ataques de estrangúria (dificuldade extrema de urinar). Morre no dia 30 de maio, atendido, a seu pedido, pelo abade Gautier. Deixa escrito que morria “adorando a Deus e a meus amigos, sem odiar meus inimigos e detestando a superstição”. Recebe um enterro cristão na abadia de Sullières.

Vídeos Relacionados

Opinião do Leitor

Deixe seu depoimento sobre o autor

voltar ir para o topo   imprimir página
 

Home    Quem Somos    Notícias    Mapa do Site    Fale Conosco    Podcast L&PM

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Alameda Santos, 1470, cj 310 - Cerqueira César - Fone: (11) 3578.6606 - São Paulo/SP - CEP 01418-903

© 2003-2019 Publibook Livros e Papeis Ltda. - CNPJ 87.932.463/0001-70 - Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva